• últimas resenhas •

24 de janeiro de 2018

LOUCA

Nem sempre você enxerga o que quer ver.
Título Original: Louca
Autor: Chloé Esposito
Gênero do Livro: Chick Lit
Editora: Globo Livros
Ano de Publicação: 2017
Número de Páginas: 360
Código ISBN: 9788525063311
Comprar:
Sinopse: A vida de Alvie Knightly está um caos: odeia o seu emprego, sua vida amorosa não lhe empolga mais e ela passa a maior parte do dia bêbada. A existência de Alvie parece exatamente o oposto da de sua gêmea idêntica, a perfeita, Beth. Enquanto ela passa a maior parte do tempo stalkeando os outros nas mídias sociais, come kebabs no café da manhã e sua companhia mais constante é o seu vibrador, Beth casou-se com um italiano atraente e podre de rico, tem um belo bebê e sempre foi a favorita da família. 
Depois de ser demitida e jogada na rua pelos colegas de apartamento, Alvie viaja à Sicília e, assim que chega, Beth pede para trocar de lugar com ela por apenas algumas horas para que ter algumas horas só para si, sem as cobranças do marido e a responsabilidade com o bebê. Alvie se anima com a chance de assumir a existência magnífica da irmã, mesmo que só por pouco tempo. Mas quando a noite termina com Beth morta no fundo da piscina, Alvie percebe que esta é a chance de mudar sua vida. Ela é louca, má, perigosa — e irresistível.

Quem nunca sonhou em ter a vida perfeita? Não se preocupar com dinheiro, viver em um país maravilhoso, ter uma casa de luxo e um companheiro irresistível? Muita gente. A maioria, na verdade. Só que a realidade é totalmente o oposto, não é? É assim com Alvie e a sua irmão univitelina Beth Knightly. São idênticas na aparência, mas totalmente diferentes na personalidade, no jeito de ser. A primeira é desempregada, descontenta com a vida, segue os seus dias sem dinheiro e achando que tudo só dá errado para ela. Vive achando que a sua irmã tem a vida perfeita e que a natureza nunca deu as costas para ela.  Afinal, ela tem o homem perfeito e vive na Itália. Enquanto Alvie não tem ninguém e vive amargurada tentando arranjar dinheiro para sobreviver.
Só que essa parte Alvie nunca contou para sua irmã Beth. Ambas apenas se comunicam pela internet, e nela todos sabemos que podemos criar o mundo perfeito, não é?
Alvina tem um temperamento singular, ela gosta de sentir prazer na tragédia do outro. Não no sentido macabro da palavra, mas uma pontinha de graça para tentar fazer com que os seus dias sejam mais interessantes, talvez.

Tudo parece dar errado até o dia em que sua irmã compra uma passagem para que Alvie a visite em sua casa. A partir desse momento tudo começa a se encaixar, ou se desencaixar.
A trama que parecia ter um começo normal muda o rumo para uma história totalmente distinta do que você poderia imaginar.
No meio do livro você se vê envolto a um suspense e começa a pensar que realmente nada é perfeito, que todos temos segredos sejam eles macabros ou não. Isso mesmo que você leu, macabros. Não é terror o livro e posso até ter exagerado nessa palavra, mas quando Alvie se passa pela sua irmã por um dia ela começa a descobrir fatos que a fazem querer voltar imediatamente para a sua pacata vida. Entretanto, tudo o que ela mais quer é ficar no exato lugar onde está, na Itália. Ainda mais quando sua irmã é encontrada morta na piscina. É neste momento, além dos outros e outros anteriores, que percebemos o quanto ela é má. Se posso assim dizer. Ela não sente a dor pela perda, mas sim uma alegria por poder pela primeira vez ter a vida que quer, a vida da sua irmã.
Eu achei a leitura intrigante. Confesso que ao ler a sinopse pensei que seria diferente, não que o livro seja ruim, muito pelo contrário, achei a leitura muito boa. Gostei de como a autora brincou com a trama. Nós pensamos algo e depois descobrimos que o que achávamos que iria acontecer era bem “light”.
Não é a toa que a VOGUE nos avisa na capa do livro:

Uma história diferente de tudo o que você já leu.

É exatamente assim que eu me senti ao terminar o livro. É diferente. É bizarro e legal ao mesmo tempo.
Você vai querer ler o mais rápido possível para chegar logo no final. No bom sentido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário